Apesar de não terem sido divulgados os números da feira-festa, a comissão executiva assume que as expectativas foram largamente superadas. O desafio para o futuro passa, não por crescer, mas por consolidar a Expofacic enquanto o maior e melhor evento do género no País.

O ambiente no jantar de confraternização e balanço que a comissão executiva da Expofacic tem por hábito organizar era, naturalmente, de grande animação. Funcionários da Inova e da Câmara Municipal de Cantanhede, representantes de entidades e empresas locais e comunicação social tinham sobrevivido a mais uma feira-festa, e a hora era de celebração. Em apenas 12 dias ficaram esgotados meses de trabalho, fruto do empenho e da dedicação de uma comissão que é, cada vez mais, como uma máquina (muito) bem oleada. As primeiras palavras de João Moura, presidente da Autarquia cantanhedense, foram, por isso, para essas pessoas, com o autarca a deixar uma mensagem de “apreço e reconhecimento a todos os envolvidos”. “Este é um momento de projecção do Concelho, conjugado com a afirmação de uma Feira que está no topo a nível nacional”.

As visitas de Pedro Passos Coelho, Primeiro-Ministro de Portugal, que inaugurou o certame, e de António José Seguro, secretário-geral do Partido Socialista, mereceram também destaque por parte de João Moura, que se congratulou com as duas visitas revelando orgulho numa cidade de Cantanhede hospitaleira. Quanto à festa propriamente dita, o balanço não poderia ter sido mais positivo: “Se tivéssemos algum receio, que seria legítimo num momento particularmente grave como o que atravessamos, não se materializou. A Feira não deixou de atrair as pessoas, ainda que em cenário de crise”, garantiu. O cartaz de qualidade e a adesão dos expositores e das Associações locais foram outros dos pontos de atractividade realçados pelo autarca, que assumiu que no futuro, “mais importante do que crescer, é pensarmos em consolidação. Este é o momento de consolidar a Expofacic, de a afirmarmos pela qualidade. Este é o grande desafio para o futuro”.

Desafio que a equipa liderada por Patrocínio Alves, presidente do Conselho de Administração da empresa municipal Inova, saberá, certamente, superar. Ao nosso Jornal, o responsável assumiu que a palavra que melhor traduzia o seu estado de espírito no momento era “alívio”, assegurando que o balanço da XXII Expofacic só pode ser “muito positivo, muito bom”. “Costumo dizer que a crise ficou à porta da Expofacic. Houve uma afluência, em termos de visitantes, que superou as nossas expectativas, e em termos de expositores, o feedback que nos foi dado também é extremamente favorável”. Nas “tasquinhas” o resultado repete-se, não ficando dúvidas para ninguém de que o evento é mesmo o maior e o melhor do País. O tempo, agora, “é de fazer contas e, depois, de ir de férias. Lá para Novembro começamos a pensar na próxima edição”. A XXII Expofacic, a mais longa de sempre, já era. Por isso que venha a próxima, e com ela mais um capítulo nesta já longa história de sucesso.  | FC