Foi inaugurada, no dia 19 de Abril, a ETAR de Covões, Cantanhede, que servirá também a freguesia da Camarneira e o lugar do Montinho, pertencente à freguesia de Pocariça. O investimento, comparticipado em 76 por cento pelo Programa Operacional Temático Valorização do Território (POVT), permite elevar a taxa de cobertura no Concelho para os 75 por cento. O objectivo é que até Agosto de 2012 esse valor possa aumentar para 95 por cento.

António Patrocínio Alves, presidente do Conselho de Administração da Inova – Empresa de Desenvolvimento Económico e Social de Cantanhede, era um homem feliz no dia da inauguração da Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) de Covões. A infraestrutura permite à Empresa Municipal dar mais um passo no sentido de alcançar o objectivo a que se propôs: garantir uma taxa de cobertura de saneamento básico no concelho de Cantanhede na ordem dos 95 por cento até Agosto deste ano. Ou até ao final do ano, caso não seja possível ter prontas até ao Verão as três obras que permitirão atingir essa meta (ETAR’s de Sepins/Bolho, Malhada e Ançã).

A ETAR de Covões foi inaugurada no dia 19 de Abril, perante representantes das Juntas de Freguesia por ela servidas – Covões, Camarneira e Pocariça, do Município de Cantanhede, da Inova, do POVT e das empresas envolvidas na empreitada, e permite incrementar a taxa de saneamento em 6,4 por cento. Servirá 2.667 habitantes, estando preparada para um horizonte de 3.080, e custou perto de 2,7 milhões de euros, 76,3 por cento dos quais foram alvo de comparticipação no âmbito do Programa Operacional Temático Valorização do Território (pouco mais de dois milhões de euros). Com a entrada em funcionamento deste equipamento, as freguesias de Camarneira e Pocariça passam a usufruir de 100 por cento de cobertura em termos de saneamento básico.

Nuno Caldeira, presidente da Junta de Freguesia da Pocariça, registou “o momento histórico”, destacando “a melhoria significativa da qualidade de vida das nossas gentes”. Já Asdrúbal Torres, seu congénere na Freguesia de Covões, considerou esta obra “a maior e mais importante que alguma vez foi feita na Freguesia, uma obra de gerações que tive a oportunidade de acompanhar”, terminando com um agradecimento sentido à Câmara Municipal de Cantanhede e à empresa municipal Inova. São mais de 30 quilómetros de emissários e estações elevatórias, numa infraestrutura que assegura tratamento primário, secundário e terciário dos resíduos, e tem impacto profundo não só nas condições de vida da população, como também na qualidade e limpeza do meio ambiente, nomeadamente ao nível dos solos e dos lençóis freáticos.

Dar o exemplo

“Esta é uma obra muito importante, contribui para um País mais limpo, para a competitividade e sustentabilidade do nosso território”, afirmou Vasco Campilho, vogal da Comissão Executiva do POVT, agradecendo, ainda, o “empenho das Autarquias neste tipo de projectos”. O responsável elogiou o exemplo de Cantanhede, que em dez anos pretende passar de uma taxa de cobertura de 30 por cento (em 2002), para 95 por cento (ainda este ano), “uma evolução fantástica numa história plena de sucesso”. Também João Moura recordou esse percurso, bem como o investimento que falta fazer (aproximadamente 13,4 milhões de euros), para que as três restantes ETAR’s sejam uma realidade e permitam assegurar a ambicionada cobertura de 95 por cento. “O maior concelho do distrito de Coimbra tem que dar o exemplo, e a Inova está a cumprir integralmente a sua missão. Estamos a fazer o máximo aproveitamento dos fundos comunitários e, paulatinamente, vamos cumprindo aquilo a que nos propusemos. É obra!”.

E não é uma obra qualquer, diga-se: “Para mim, esta é das melhores obras que fizemos”, assumiu António Patrocínio Alves. Obra que só foi possível graças ao empenho de todos os intervenientes, e cuja candidatura a fundos no âmbito do Quadro de Referência Estratégico Nacional, através do POVT, foi aprovada em Junho de 2009. Menos de três anos depois, o resultado está à vista. Faltam, agora, três etapas, para que o longo caminho rumo a uma cobertura quase total do Concelho, no que ao saneamento básico diz respeito, esteja cumprido. Até Agosto ou, na pior das hipóteses, ao final de 2012, essa meta deverá ter sido atingida. | FC