Os tradicionais cantares de Janeiras, populares em diversos pontos do País, também saíram à rua em Febres. A pequenada do Jardim-de-Infância da Gira Sol proporcionou uma manhã diferente aos idosos do Centro Paroquial de Solidariedade Social, deixando sorrisos e alegria e levando chocolates e aplausos.

Uma caminhada de alguns metros levou os pequenos cantores do Jardim-de-Infância da Gira Sol, em Febres, às instalações do Centro Paroquial de Solidariedade Social local. De mãos dadas, em fila indiana, com coloridas coroas de reis na cabeça, os meninos das salas dos Mini-Cientistas (três e quatro anos) e Mini-Exploradores (quatro e cinco anos) lá foram em romaria, bem agasalhados e animados caminho fora. À semelhança do que terão feito os outros Reis, os três magos que dão nome ao dia 6 de Janeiro, estas altezas de palmo e meio foram oferecer um presente. Não ao menino que havia nascido em Belém, mas aos velhotes que por estes dias são utentes do lar e centro de dia do Centro Paroquial de Febres.

Ouro, incenso e mirra são bens preciosos, mas mais precioso e enriquecedor foi o gesto destas crianças, que levaram carinho, ternura e um sorriso às dezenas de seniores que ouviram, atentos, cantar as Janeiras. “É recorrente articularmo-nos com outras instituições locais e promovermos estas actividades, sobretudo em alturas do ano como esta, e também no Carnaval”, disse ao AuriNegra Sandra Rato, directora técnica do Centro Paroquial. Ali residem 30 utentes, na valência de lar, a que se juntam diariamente 35 do centro de dia. “Para nós estes gestos são muito importantes, para que os nossos utentes sintam que há vida e se vejam envolvidos nela. É uma forma de os animar e de promover as trocas inter-geracionais”, defendeu a responsável. “É uma troca de saberes e partilha que consideramos muito salutar”.

Este é um gesto que não tem preço, um programa matinal diferente para os idosos em que a televisão perde o protagonismo e as tristezas são, ainda que temporariamente, relegadas para segundo plano. Ao início um pouco tímidas e envergonhadas, depois foi ver as crianças da Gira Sol a desfiarem canções atrás de canções, não faltando o clássico “Atirei o Pau ao Gato”, interpretado em uníssono por visitantes e visitados. “Trazem-nos alegria e harmonia e, para a sua tenra idade, portam-se muito bem”, confirmou Ana Costa, de Cabeços, sorriso largo estampado no seu rosto octogenário. “Tira-nos um pouco desta monotonia, de pensarmos sempre no mesmo vendo os outros que estão mal, perguntarmo-nos quando será a nossa vez”, desabafou a simpática idosa. Com dois netos e um bisneto, sabe bem quão importante é manter esta “conversa” entre as duas gerações, novos e velhos.

Maria Madalena Lagoas, de Febres, conta já 70 anos e cinco netos. Esteve emigrada na Suíça e na África do Sul e busca agora companhia nos amigos e amigas que foi fazendo no centro de dia. Diz ter gostado imenso da actuação, sobretudo porque os pequenos espalharam “alegria e felicidade”. Antes de nos despedirmos, fez questão de deixar ainda uma mensagem para todos os nossos leitores: “Que 2012 seja um ano muito feliz para todos”. Fica expresso o desejo, oxalá se concretize.  | FC


Anúncios