A serenidade regressou ao quartel dos soldados da paz de Cantanhede, findo um período de alguma tensão, que culminou na demissão do anterior comando. João Manuel Leitão, bombeiro chefe dos Voluntários, é o novo comandante interino da corporação.

O agudizar das alegadas tensões, entre o comando e a Direcção dos Bombeiros Voluntários (BV), deu-se, supostamente, aquando do arranque da última Expofacic, no final do mês passado. Pelo menos, e como apurou o AuriNegra, a demissão do anterior comando, liderado por Mário Vieira, foi anunciada no próprio dia da inauguração, a 23 de Julho, e o pedido oficializado, por carta, na segunda-feira seguinte, dia 26.

Para além do comandante, major do exército na reserva e a comandar os BV de Cantanhede desde o início de 2009, também os dois outros elementos subscreveram o pedido de resignação, no caso, Marco Sousa, segundo comandante, e Nuno Carvalho, adjunto de comando.

As demissões foram aceites pela Direcção da Associação Humanitária dos BV, depois de as ter comunicado à Autoridade Nacional de Protecção Civil (através do Comando Distrital de Operações de Socorro – CODS, de Coimbra). Também nessa altura, a Direcção sugeriu à Protecção Civil o nome de João Manuel Leitão para comandar a corporação, tal como prevê a legislação e que indica dever ser o bombeiro mais antigo a assumir, interinamente, o comando.

A 28 de Julho, João Manuel Leitão, bombeiro em Cantanhede há mais de três décadas, assumiu as novas funções de comandante interino, aguardando-se, por estes dias, que nomeie dois outros bombeiros que o hão-de auxiliar nas suas funções. Com largos anos de carreira, João Manuel Leitão era bombeiro chefe dos Voluntários e um dos mais graduados do corpo activo.

Em comunicado, Idalécio Oliveira, Presidente da Direcção da Associação, diz ter sido “com alguma estranheza que assistimos, a poucos minutos da cerimónia de inauguração da Expofacic, à recusa de alguns bombeiros no quartel em prestar socorro numa situação de incêndio”.

No mesmo documento, enumera um conjunto de predicados expectáveis do comando e da Direcção, acrescentando que “há alguns meses que a Direcção vinha a solicitar ao comandante uma postura que correspondesse ao enunciado, sendo lamentável que tenha acontecido exactamente o contrário. Felizmente está encerrado este triste episódio da vida da Associação”, escreve o Presidente, concluindo que “as competências de cada um devem ser aplicadas com rigor e vontade suficientes”.

Por se encontrar de férias, Idalécio Oliveira tem estado incontactável, mas fonte próxima da Associação confirmou ao nosso Jornal que a serenidade voltou ao quartel, sendo, agora, o que mais importa a vontade de trabalhar de todos e a garantia da operacionalidade da corporação.

Igualmente incontactável tem estado o ex-comandante, Mário Vieira, que não regressou aos bombeiros, enquanto Marco Sousa e Nuno Carvalho, este último funcionário da Associação, foram reintegrados no corpo activo dos Bombeiros de Cantanhede.

Anúncios